Fortaleça a imprensa democrática brasileira

Por meio de uma nota técnica assinada pelo chefe da Equipe das Forças Armadas de Fiscalização do Sistema Eletrônico de Votação (EFASEV), coronel do Exército Marcelo Nogueira de Souza, e pelo subchefe de Comando e Controle do Ministério da Defesa, contra-almirante Paulo Roberto Saraiva, a Defesa informou ao TCU no dia 30 de setembro o que seria feito com o resultado da chamada “apuração paralela” dos militares.

A Defesa, porém, informou qual seria o procedimento apenas se fosse identificada “divergência entre as informações coletadas pela entidade fiscalizadora e as informadas pelo TSE”:

“Em caso de identificação de divergência entre as informações coletadas pela entidade fiscalizadora e as informadas pelo TSE para a referida seção eleitoral, todo o processo será detidamente reavaliado pela chefia da equipe de analistas e, persistindo a divergência, será submetido à análise do Chefe da EFASEV”.

“Sendo, por fim, ratificada a divergência, um relatório com as conclusões sobre a verificação, acompanhado das fotos e dos documentos produzidos, será encaminhado ao TSE, para a adoção de providências consideradas cabíveis por parte daquela Corte Eleitoral, não se aplicando testes substantivos por parte desta entidade fiscalizadora”, diz ainda a nota técnica.

O Ministério da Defesa não informou ao TCU, portanto, qual seria a conduta em caso de a “apuração paralela” das Forças Armadas não encontrar absolutamente nada de anormal no funcionamento do sistema brasileiro de votação eletrônica.

Jornalistas experimentados e competentes dão conta de que um relatório neste sentido está pronto e já foi apresentado pelo general-ministro da Defesa, Paulo Sergio Nogueira, a Jair Bolsonaro, que estaria impedindo a publicização do documento.

Sobre o que fariam os militares se nada encontrassem de errado, tampouco o TCU perguntou. As duas perguntas sobre as possíveis conclusões da “apuração paralela” encaminhadas pelo TCU no dia 21 de setembro ao Ministério da Defesa foram:

  1. O que se pretende avaliar, isto é, se o objetivo é meramente comparar BU físicos com os resultados divulgados, ou se pretende-se extrapolar os resultados eleitorais amostrais para comparar com o resultado oficial da eleição, ou outro tipo de verificação?
  2. Em sendo identificadas divergências, quais testes substantivos serão aplicados para evidenciar ou refutar os achados?

Quem precisaria perguntar a Forças Armadas presumidamente profissionais se elas dariam a um relatório que desmentisse ataques à Democracia qualquer outro encaminhamento que não seja trazê-lo imediatamente à luz?

Pois as Forças Armadas brasileiras, entidade legitimada pelo TSE para participar dos procedimentos de fiscalização e auditoria do sistema eletrônico de votação, calam-se há mais de uma semana sobre as conclusões da “apuração paralela” que se propuseram a fazer, cevando o tumulto de que se alimenta uma das candidaturas – a sua, a do Partido Militar – à presidência da República.

Deixe um comentário

Deixe um comentário