Brasília, 7 de maio de 2019: Bolsonaro discursa na cerimônia de assinatura do decreto da nova regulamentação do uso de armas e munições (Foto: Marcos Corrêa/PR).

A mídia corporativa ora se empenha em infinitas considerações, explicações, especulações jurídicas sobre o “indulto da graça” dado por Jair Bolsonaro a Daniel Silveira.

Porém, importa menos saber se o troglodita vai ou não vai amargar uma temporada no xadrez e mais medir o ânimo e a confiança de Bolsonaro para o enfrentamento total, e o indulto dá a medida deles de uma vez por todas. Por mais que há tempos destrua e afronte à vontade, é ilusão supor que Bolsonaro se arrisque anulando atos de outro Poder apenas para manter coeso seu eleitorado cativo, para fazê-lo delirar na expectativa de colher algum dividendo eleitoral.

Nesta linha, convém inverter o bordão dos grupos bolsonaristas-armamentistas: não é sobre liberdade (no caso, a de Silveira), é sobre armas.

Em primeiro lugar, a última ordem do dia “alusiva ao 31 de março” de 1964 confirma uma vez mais que entre generais de exército, almirantes de esquadra e brigadeiros do ar ainda grassa, isto sim, a pretensa justeza de que “os anseios e as aspirações da população” resultem em golpe de Estado, a depender da interpretação que se faz deles pelo Estado-maior verde-oliva, branco-naval e azul-força-aérea.

Assinar a ordem do dia foi o último ato do general Braga Netto como ministro da Defesa. Não porque ele foi demitido depois dela, mas porque o general deixou o cargo para ser candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro.

A propósito disso, Come Ananás publicou no último 31 de março o artigo “O Daniel Silveira candidato a vice e os Silveirinhas das Forças Armadas”.

Em segundo lugar, convém lembrar, ainda que esteja fresquinho, que há poucos dias a Agência Pública mostrou o secretário da Lei Rouanet, de microfone em punho e levando no peito o logotipo do Movimento Pró-Armas, escancarando o que realmente move a proliferação de clubes de tiro país afora: o combate à “criminalidade de Estado”.

Leia-se: o combate armado a qualquer possibilidade de freio à fulminante ascensão armamentista no Brasil, ao mais pálido vislumbre de restauração democrática no país.

Mais este golpista, André Porciúncula, disse o que disse na convenção nacional do Pró-Armas. Mas é o MST que convive com cercos do Ministério Público e da Justiça para enquadrá-lo como “organização criminosa”. O Pró-Armas segue bem à vontade.

No Brasil, já são mais de meio milhão de colecionadores de pistolas e armas de grosso calibre, atiradores esportivos e caçadores de javali e sabe-se lá mais de quê, ou de quem. O grosso dos CACs é de devotos (esta é a palavra) de Jair Bolsonaro, de fanáticos pelo Capitão Caverna, santo padroeiro do ferro, do berro e do pipoco.

A internet está cheia de listas das coisas mais cavernosas que devotos fazem por seus ídolos, ainda mais em transe coletivo, digamos que “sob violenta emoção”. A história também.

É um erro menosprezar o golpismo bolsofascista e o nível de apoio que este golpismo em franca fermentação pode vir a alcançar. Por extensão, é leviandade desconsiderar que as eleições marcadas para outubro estão sob forte ameaça.

Que o “indulto da graça” dado a Daniel Silveira é inconstitucional, até os cartuchos de munição sabem muito bem. Mas o jogo não é mais, e não é de hoje, sobre o livro constitucional, relegado a calço da mesa de tabuleiro.

É sobre o pau na mesa.

The stick is on the table, senhoras e senhores. Quem tem olhos para ver, que veja.

Deixe um comentário

Deixe um comentário Cancelar resposta