Carlos Tabanez, de pé, na última sexta-feira, 30, no Ministério da Justiça (Foto: Reprodução/Facebook).

Apoie o Come Ananás

Fortaleça a imprensa democrática.

Na última sexta-feira, 30, às vésperas do depoimento do presidente da Senah, Amilton Gomes de Paula, à CPI da Covid-19, um dos presidentes de honra da entidade, Carlos Alberto Rodrigues Tabanez, “forneceu” um curso de “compliance, ética e conduta” para funcionários terceirizados do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

A CPI da Covid-19 retorna às oitivas nesta terça-feira, 3, ouvindo o reverendo Amilton de Paula. A Senah (Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários), via reverendo Amilton, abriu as portas do Ministério da Saúde e do Palácio do Planalto a representantes da Davati, num dos escândalos do “vacinoduto” – o do pedido de propina de um dólar por dose feito ao cabo Dominghetti.

Em nota sobre o caso, a Senah afirmou que atuou pela Davati junto ao governo Jair Bolsonaro “visando apenas e tão somente facilitar a aquisição de vacinas no combate à covid-19”.

Em 2019, a ong do reverendo Amilton de Paula mudou de sigla, de Senar para Senah, substituindo o “Assuntos Religiosos” do fim do seu nome para “Assuntos Humanitários”.

Carlos Tabanez é também “embaixador pela paz”, título a ele outorgado pela Senah e pela Frente Parlamentar Mista Internacional Humanitária pela Paz Mundial do Congresso (FremhPaz). O nome de Tabanez foi citado nesta segunda-feira, 2, pela Agência Pública, em matéria intitulada “‘Embaixada’ de reverendo que negociou vacinas foi inaugurada com homenagens a Bolsonaro”.

O nome de Tabanez foi citado também numa sessão da CPI pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE):

“Um dos diretores da Senah é Carlos Alberto Rodrigues Tabanez. Tabanez foi candidato a Deputado no Distrito Federal, do PROS, e é ligado à indústria de armas. É ligado à indústria de armas. E a clube de caça e tiro”.

Amilton de Paula e Carlos Tabanez.
Amilton de Paula, a atriz Maria Paula e Carlos Tabanez.
Senah: à esquerda, Amilton Gomes quando jovem, de porta-bandeira dos EUA; à direta, Carlos Tabanez, fornecedor de curso de compliance para o Governo Federal.

Policial civil aposentado, Tabanez é vice-presidente do Clube de Tiro GSI, do Distrito Federal. O clube é frequentado, por exemplo, pelo Delegado Rafael Sampaio, que é chefe de gabinete da secretária de Governo da Presidência da República, Flavia Arruda; e pelo conhecido líder armamentista Marcos Pollon, que é próximo da família Bolsonaro.

No último 9 de julho, Tabanez ombreou com Pollon, Carla Zambelli, Major Vitor Hugo e Roberto Jefferson no carro de som do II Encontro Pró-armas pela Liberdade, realizado na Esplanada dos Ministérios.

No ano passado, Tabanez recebeu convite de Roberto Jefferson para ingressar no PTB visando outra candidatura a deputado distrital, em 2022.

Tabanez e Carla Zambelli.
Tabanez e o chefe de gabinete de Flavia Arruda, delegado Rafael Sampaio, no Palácio do Planalto.
Roberto Jefferson e Carlos Tabanez.

No passado, Tabanez treinou técnicos em explosivos do Exército que participaram da Missão da ONU no Haiti, a Minustah, que foi comandada por dois generais que viriam a ser ministros de Bolsonaro: Augusto Heleno, do GSI (não o clube de tiro, mas o gabinete com status de ministério), e Santos Cruz, que já deixou a Secretaria de Governo.

No artigo “Xadrez do verdadeiro gabinete do ódio”, sobre a Senah, Luis Nassif mostrou que o Grupo GSI, fundado por Tabanez, tem 16 contratos com o Governo Federal, todos de 2018 para cá, 13 assinados sob o governo Bolsonaro, dois com o Hospital das Forças Armadas em Brasília. O Grupo GSI fornece serviços de escritório, manutenção e apoio administrativo.

Carlos Tabanez diz ser amigo do presidente da República.

Bolsonaro e Tabanez (Foto: Reprodução/Instagram).

Conservação e limpeza

Os slides do curso de compliance promovido por Carlos Tabanez no Ministério da Justiça mostram que o curso aconteceu sob o chapéu de uma “Defender Serviços Especializados”. Uma busca de termo exato no Google pelo nome da empresa entrega não mais do que 10 resultados, quase todos de vagas de emprego ou perfis profissionais no Linkedin.

Existem dados públicos abundantes, isto sim, sobre a Defender Conservação e Limpeza, uma recorrente contratista do Governo Federal. No Portal da Transparência da Controladoria Geral da União (CGU) consta que o único sócio desta empresa é Luiz Carlos da Silva Batista.

Come Ananás apurou em documentos de anos recentes que a atual Defender Conservação e Limpeza Eireli (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada), quando era Defender Conservação e Limpeza LTDA, tinha como nome fantasia “GSI Serviços Especializados”, e que Kelly Fragoso Souza, esposa de Tabanez e diretora financeira do Clube de Tiro GSI, aparecia como sócia-administradora da empresa.

No fim de 2017, quando ainda era LTDA, a Defender Conservação e Limpeza assinou aquele se tornou o seu maior contrato com o governo, justamente com o Ministério da Justiça, para “prestação de serviços de técnico em secretariado, secretariado executivo, secretariado executivo bilíngue, recepcionista e contínuo”.

O contrato, que tinha valor inicial de R$ 14 milhões e vigência de um ano, teve valor final de R$ 68 milhões, após três aditivos de prorrogação e um quarto “decorrente das medidas administrativas para o enfrentamento do novo coronavírus, que resultou no aumento da defesa relacionada à substituição de uma secretária”.

Um dos contratos mais recentes da Defender Conservação e Limpeza com o Governo Federal foi assinado com o Ministério da Infraestrutura, no valor de R$ 52 milhões, com vigência de maio de 2020 a maio de 2022 e para terceirização de nada menos que 173 assistentes técnicos administrativos para o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes.

Segundo o Portal da Transparência da CGU, a Defender Conservação e Limpeza recebeu até hoje R$ 294 milhões em pagamentos da União.

Participe da conversa

1 Comentário

  1. Esse é o (des)governo que se elegeu pregando, dentre outras mentiras, o combate à corrupção. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará “. Espero que, com a verdade vindo à tona, a frase, entre aspas, tão citada pelo Presidente Bolsonaro, possa se tornar uma realidade e sejamos libertados desse mar de mentiras, falcatruas, corrupção, etc que se instalou nesse país, com a eleição do atual (des)governo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *