Jair Bolsonaro na famigerada apresentação a embaixadores (Foto: Clauber Cleber Caetano/PR).

Na Hungria – na Hungria – uma ministra de Estado desembarcou do governo após um discurso inaceitável do presidente do país.

Nesta terça-feira, 26, a ministra húngara da Inclusão Social, Zsuzsa Hegedus, pediu demissão após Viktor Orbán dizer que os húngaros “não querem se tornar um povo mestiço” e fazer piada com as câmaras de gás nazistas.

Zsuzsa Hegedus saiu atirando:

“Não sei como você [Orbán] não percebeu que a declaração é pura retórica nazista digna de Joseph Goebbels. Depois de tal discurso, que contradiz todos os meus valores básicos, não tive outra escolha: tenho que romper com você”.

Zsuzsa Hegedus não é flor que se cheire. Não pode sê-lo quem há 20 anos convive com o notório fascista Orbán e aceita ser membro do seu governo, sua conselheira de longa data, para só agora descobri-lo intolerável.

Mas “descobriu”, e saiu. É provável que outros membros do governo húngaro façam o mesmo, menos por “valores básicos”, mais por cálculos políticos.

No Brasil, algo sobre a situação política atual chama atenção: por mais que a mídia corporativa e a oposição anunciem a todo momento que Jair Bolsonaro “está cada vez mais isolado”, ninguém – absolutamente ninguém – desembarca de Jair Bolsonaro, a menos de três meses da data marcada para a eleição.

Nenhum ministro, militar ou civil; nenhum funcionário do segundo escalão que seja; nenhum chefe militar; nenhum dos três principais líderes do Centrão – Arthur Lira, Ciro Nogueira e Valdemar Costa Neto.

Nem mesmo um tradutor de libras.

Mesmo após o famigerado discurso a embaixadores estrangeiros, em que Bolsonaro cometeu flagrante crime de lesa-pátria.

Para evitar que Bolsonaro tente bagunçar o coreto, desencadeando consequências imprevisíveis mesmo que não passe de uma tentativa, bastarão os recados do governo Biden; as juras do ministro da Defesa de amor à democracia, enquanto tenta à luz do dia sabotar as eleições; a profusão de notas de repúdio de entidades de classe?

Bastará aquela que promete ser a rainha de todas as notas de repúdio, a que está sendo articulada pela Fiesp?

Por que ninguém desembarca? Qual é o cálculo? Por que ninguém rompe, à vera, com Jair Bolsonaro?

Apoie o Come Ananás com assinatura ou Pix

Fortaleça a imprensa democrática brasileira.

FAÇA UMA ASSINATURA de apoio ao jornalismo do Come Ananás. Mensal ou anual, via Google. Cancele quando quiser. Você também pode fazer uma contribuição única.

OU FAÇA UM PIX de apoio ao Come Ananás, de qualquer valor. Toda contribuição é importante. Estas são as chaves Pix do Come Ananás:

Celular
(24) 98828-1201
E-mail
pix@comeananas.news
CNPJ
43.651.012/0001-99

Assinantes antigos podem gerenciar suas assinaturas de apoio na área do assinante ou no portal do cliente da Stripe.

Participe da conversa

1 Comentário

  1. Talvez porque já tenham descoberto como fraudar as urnas ou o processo de totalização dos votos, dando vitória à Bolsonaro. Por que o Bolsonaro vem atacando o processo de votação com urnas eletrônicas, de longa data, e só nas últimas semanas surgem diversas pessoas/empresas/entidades defendendo o sistema de urnas eletrônicas? Muito estranho. Destaque-se que o TSE sempre combateu as acusações infundadas de Bolsonaro. As urnas eletrônicas são usadas há 25 anos no Brasil e nunca houve fraude. Se vier a acontecer fraude nessa eleição, pode-se concluir quem são os responsáveis pela fraude.

Deixe um comentário

Deixe um comentário