Quiosque Tropicália (Foto: Reprodução/Twitter).

O grupo Anonymous diz ter descoberto o nome do dono do quiosque Tropicália, no posto 8, Barra da Tijuca, onde o congolês Moïse Mugenyi Kabagambe, de 24 anos, foi espancado até a morte no dia 24 de janeiro por tentar receber dois dias de trabalho no local.

“Alerta: após publicação do nome do proprietário do quiosque, os milicianos removeram o nome dele do cadastro nacional de CNPJ e colocaram o nome de um laranja. Este homem não foi preso. A polícia já sabe quem é. As milícias do Rio de Janeiro agindo e até agora nada aconteceu”, disse depois o Anonymous.

Independentemente de quem for o dono do Tropicália, há indícios de que os dados do CNPJ do quiosque estão, sim, sofrendo alterações após o crime.

Na pesquisa Google, o nome apontado pelo Anonymous, de Luciano Martins de Souza, ainda aparece associado ao CNPJ do quiosque, como “sócio-administrador”. Há um atraso, que pode ser de dias, entre a alteração de uma página web e essa alteração aparecer nos resultados de pesquisa.

Outra curiosidade é que o nome da razão social do CNPJ também está aparecendo diferente na pesquisa Google e no conteúdo do link. Isto pode indicar alteração recente na razão social também. Na pesquisa, aparece “kioske lm beach bar e lanchonete ltda”. No conteúdo, após o clique, aparece “QUIOSQUE TROPICALIA BAR E LANCHONETE LTDA”.

Participe da conversa

1 Comentário

Deixe um comentário

Deixe um comentário