Em seu livro “Medo – Trump na Casa Branca”, Bob Woodward narra uma reunião entre Donald e Steve Bannon, entre outras figuras, no Trump National Golf Club, 60 quilômetros a oeste de Nova Iorque, durante a campanha eleitoral de 2016 nos EUA:

“Trump chegou e sentou. Cachorros quentes e hambúrgueres foram servidos. A dieta dos sonhos de um garoto de onze anos, pensou Bannon, enquanto Trump devorava dois cachorros-quentes”.

Sempre que visita a Academia Militar das Agulhas Negras, onde se formou em 1977, Bolsonaro não falha em devorar cachorros-quentes, mesmo com o intestino sambado, após o episódio da facada, num food truck que fica a poucos metros do portão monumental da Aman. Ali, na cidade de Resende, o food truck é conhecido como “cachorro quente do presidente”.

Mas parece que do lado de dentro das colunas de Hércules, que dão acesso à Aman, também há um quê de trumpismo alimentar.

Segundo dados do Portal de Compras do Governo Federal, em fevereiro do ano passado o Comando do Exército comprou para a Aman quase 180 mil unidades de cheese-burgueres hot pocket, com “aroma idêntico ao natural”, “realçador de sabor glutamato monossódio” e “corante vermelho de beterraba”.

Foram comprados mais precisamente 179.960 x-burgueres do tipo pronto, para serem aquecidos em forno microondas, a fim de forrar os estômagos dos cadetes ao longo de 2021, ao preço unitário de R$ 6,12. No total, o Exército gastou mais de um milhão e 100 mil reais em hot pockets em sua última grande compra para abastecer o rancho da Aman.

Quando repercutiram as compras milionárias de leite condensado e chiclete pelo Exército, um ano atrás, o Ministério da Defesa soltou uma nota de esclarecimento garantindo que “as Forças Armadas têm a responsabilidade de promover a saúde da tropa por meio de uma alimentação nutricionalmente balanceada, em quantidade e qualidade adequadas, composta por diferentes itens”.

No mesmo pregão dos hot pockets, o Exército comprou para a Aman 125 mil pacotes de biscoito waffer, 30 mil achocolatados em caixinha e nada menos que 150 mil latas de 350 ml ou garrafas de dois litros de refrigerante, a maioria do tipo cola, entre outros diferentes ítens de alimentação balanceada.

Barba e frutos do mar

Quando Bolsonaro se formou na Aman, em 1977, ainda não havia microondas no Brasil. Hoje em dia, neste ritmo de hot pockets, cocas e todinhos, os cadetes podem acabar desenvolvendo sérias doenças intestinais, e nem todos poderão se tratar no Vila Nova Star, com aquele doutor que ensina a mastigar 15 vezes cada garfada.

Mas nem só de guloseimas e xaropes, claro, são feitas as relações de itens das compras do Exército. Há também os camarões, ainda que nenhum edital discrimine se eles são para o rancho da tropa ou para os banquetes balanceados do oficialato.

Na compra do ano passado para a Aman, foram 600 quilos de camarão rosa e outros 600 de camarão sete barbas, entre outros frutos do mar, se é que vocês me entendem. Apesar da “polarização”, o Exército de Caxias falou em barba e em outros frutos do mar num mesmo edital. Enfim, alguma estabilidade na República.


Não vá embora ainda. Considere...

... fazer uma assinatura ou um Pix de apoio ao jornalismo do Come Ananás. Fortaleça a imprensa democrática brasileira. Venha junto romper o ronrom da mídia corporativa.

FAÇA UMA ASSINATURA de apoio ao Come Ananás. É rápido e seguro. Cancele quando quiser na área do assinante.

OU FAÇA UM PIX do valor que quiser ou puder. Toda contribuição é importante. Esta é a chave Pix do Come Ananás:

apoio@comeananas.news

Deixe um comentário

Deixe um comentário