Manifestação em frente ao Quartel General do Exército em Brasília (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil).

Nos últimos dias, dois dos maiores jornais do Brasil, O Estado de S.Paulo e a Folha de S.Paulo, publicaram reportagens dando conta de que os comandantes das Forças Armadas planejam dar posse aos indicados por Lula já em dezembro, antes da posse de Lula, o que, segundo as reportagens, causou estranheza na equipe de transição.

Segundo as apurações tanto do Estadão quanto da Folha, Jair Bolsonaro estaria disposto a assinar os decretos de nomeação dos escolhidos por Lula para comandar o Exército, a Marinha e a Aeronáutica, ainda que os nomes não tenham sido sequer anunciados pelo novo governo.

De fato, é muito estranho. Se não por mais nada, simplesmente porque o aceno com uma aparente colher de chá parte de chefes militares bolsonaristas e de quem hoje trabalha à luz do dia para manter abrasadas as manifestações golpistas na frente dos quartéis, entre inúmeras outras tentativas de boicote ao novo governo.

A hipótese de os atuais comandantes estarem agindo para não terem de chegar a prestar continência a Lula não parece compatível com o tamanho do contrassenso.

Nas reportagens, os nomes apontados como os prováveis indicados por Lula para os comandos da Marinha e da Aeronáutica são os do almirante de esquadra Renato Rodrigues de Aguiar Freire e do tenente-brigadeiro do ar Marcelo Kanitz Damasceno.

Na semana passada, porém, foram publicados no Diário Oficial da União decretos de Jair Bolsonaro passando tanto o almirante Aguiar Freire quando o brigadeiro Damasceno para a reserva:

Aguiar Freire e Damasceno são dois dos vários altos oficiais dos comandos das três forças que na semana passada foram passados para a reserva. Eles também foram exonerados das chefias, respectivamente, do Estado-Maior da Armada e do Estado-Maior da Aeronáutica, cargos que vinham ocupando.

Na semana passada, uma edição extra do DOU trouxe também a exoneração de 19 almirantes, vice-almirantes ou contra-almirantes de cargos do Comando do Marinha.

No dia 22 foram publicadas no DOU 16 mudanças em cargos do Comando do Exército. Mera rotina? Talvez.

Outra notícia que causa estranheza é a possibilidade de o comando do Exército ser entregue por Lula ao general Valério Stumpf.

Em 2021, quando era comandante militar do Sul, Stumpf, oficial da ativa, colaborou com a urdidura do “Projeto de Nação – O Brasil em 2035”, plano de combate ao “globalismo” e de ditadura reloaded bolado pelos generais da reserva Eduardo Villas Boas e Luiz Eduardo Rocha Paiva, com apoio de Hamilton Mourão.

Em maio de 2022, Stumpf foi nomeado por Bolsonaro para a chefia do Estado-Maior do Exército, cargo que ocupa até hoje.

Apoie o nosso jornalismo

Fortaleça a imprensa democrática brasileira.

FAÇA UMA ASSINATURA de apoio ao Come Ananás. É rápido e seguro. Cancele quando quiser na área do assinante.

OU FAÇA UM PIX do valor que quiser ou puder. Toda contribuição é importante. Esta é a chave Pix do Come Ananás:

apoio@comeananas.news

Deixe um comentário

Deixe um comentário